Páginas

quinta-feira, 2 de abril de 2015

O PRIMEIRO JORNAL DE JUAZEIRO DO NORTE: O REBATE

O PRIMEIRO JORNAL DE JUAZEIRO DO NORTE: O REBATE
                                                               
                                                                            Heitor Feitosa Macêdo


         
         No dia 18 de julho de 1909, o jornal O Rebate foi publicado, entrando em circulação nas ruas do então distrito de Juazeiro do Norte/CE, tendo como fundador, diretor e redator-chefe o padre Joaquim de Alencar Peixoto.
         O nascimento deste jornal serviu como importante ferramenta de apoio à almejada emancipação política de Juazeiro do Norte, pois, ao tempo de suas primeiras edições, tal localidade não passava de um pequeno povoado pertencente à cidade do Crato/CE.
         O Rebate representava parte dos anseios da nascente burguesia que se concentrava no primitivo nicho juazeirense, trazendo em seu bojo a indelével ideia separatista. Assim, o emergente distrito, para se desvencilhar da urbe cratense, utilizou-se largamente do dito semanário.
         Na época, a rivalidade entre Crato e Juazeiro era representada, no mundo das ideias, pelo entrincheiramento da imprensa local, de um lado O Rebate, comandado pelo padre Alencar Peixoto, do outro o Correio do Cariry, chefiado pelo farmacêutico José Alves de Figueiredo. Não foi à toa que o hebdomadário tomou o nome de O Rebate, em alusão ao ato de rebater, indicando uma das suas principais ocupações.
Pe. Alencar Peixoto
(Fonte:Álbum do Seminário do Crato)

         O dito padre era natural do Crato, porém, havia migrado para o Juazeiro em 1907, sem autorização do Bispo D. Joaquim, e, além disso, também havia se desentendido com o caudilho cratense, o coronel Antonio Luiz Alves Pequeno. Sem dúvida, estes fatos serviram à causa que dividia as duas localidades em conflito.
         Afora a emancipação de Juazeiro do Norte, o jornal O Rebate também se dedicou veementemente ao tema das minas de cobre do Sítio Coxá, que, no período, era objeto de uma tensa disputa judicial envolvendo o padre Cícero, proprietário das terras em que se localizavam as jazidas.
         Como se percebe, a intenção precípua desses jornais não era meramente o repasse da notícia, mas o engajamento político, e, por conseguinte, a busca pela imposição de seus discursos, ou melhor, da vontade das classes dominantes, engalfinhadas a troco de poder sobre aquele nascente espaço urbano.    
         O encerramento das atividades desse jornal se deu pouco tempo depois da emancipação de Juazeiro do Norte (22 de julho de 1911), ensejando a saída do seu redator-chefe da cidade recém-criada, pois apesar de este ter alcançado a separação política, não pôde realizar seu outro desejo, o de chefiar o governo da nova urbe, tendo em vista que esse encargo coube ao seu confrade, o padre Cícero.
         As publicações de O Rebate davam-se semanalmente, aos domingos, isto até o dia 03 de setembro de 1911, data de seu último exemplar, perfazendo a soma de 104 edições.
À esquerda, o padre Alencar Peixoto, ladeado pelo Dr. Floro Bartolomeu, em 1909, na sala de redação de O Rebate (Fonte:Sobreira, Padre Azarias, O Patriarca de Juazeiro, p. 07)
         Para aqueles que tiverem curiosidade de ler o antigo hebdomadário, a hemeroteca digital da Biblioteca Nacional do Brasil disponibilizou parte de suas edições, concernente aos anos de 1909 e 1910, no seguinte endereço: <http://memoria.bn.br/hdb/uf.aspx>

(Jornal Acontece, Região do Cariri - De 24 de fevereiro a 10 de março de 2015, Nº 55 - Ano 6 - Fundado por Antonio Rodrigues Peixoto, p. 07).



3 comentários:

  1. Estou relendo "O Nobre da Vila" (não sei nem quantas vezes já li) de Enéas Braga, que foi meu colega de ACEJI - Ass Cearense de Jornalista do Interior, nos idos de 1970. Nunca mais tive notícias de Enéas. Por onde anda o amigo?

    Meu e-mail: gazeta@folha.com.br
    Crato Ceará
    Na WEB: gazetadenoticiascariri

    ResponderExcluir
  2. Boa noite onde posso encontra o livro

    ResponderExcluir
  3. Estou procurando informações sobre Inácio Ribeiro Campos

    ResponderExcluir